sábado, 10 de junho de 2017

Pobre grande Camões...

D. Sebastião concedeu-lhe uma tença...
O grande, o imenso, o incrível Camões, como todos os homens - e mulheres - de enorme valor neste país são desprezados, afastados, postos de parte (quando não mortos como o grande Damião de Góis). 

E foi-lhe atribuída uma tença - uma esmola - de que Sophia tão bem falou.

Camões e a tença

«Irás ao Paço. Irás pedir que a tença
Seja paga na data combinada
Este país te mata lentamente
País que tu chamaste e não responde
País que tu nomeias e não nasce

Em tua perdição se conjuraram
Calúnias desamor inveja ardente
E sempre os inimigos sobejaram
A quem ousou seu ser inteiramente

E aqueles que invocaste não te viram
Porque estavam curvados e dobrados
Pela paciência cuja mão de cinza
Tinha apagado os olhos no seu rosto

Irás ao Paço irás pacientemente
Pois não te pedem canto mas paciência

Este país te mata lentamente.»

Sophia, in Dual, 1972
....

Só que, como grande homem que era, ele conhecia bem os vícios das lusas gentes bem como o seu próprio valor. 

(...)
«O favor com que mais se acende o engenho
Não no dá a pátria, não, que está metida
No gosto da cobiça e na rudeza
De hua austera, apagada e vil tristeza.»

(..) 
«Mas eu que falo, humilde, baxo e rudo,
De vós não conhecido nem sonhado?
Da boca dos pequenos sei, contudo, 
Que o louvor sai às vezes acabado.
Nem me falta na vida honesto estudo,
Com larga experiência misturado,
Nem engenho, que aqui vereis presente,
Cousas que juntas se acham raramente.»

in Os Lusíadas, Canto X.


Pobre grande Camões!

12 comentários:

  1. Pobre mesmo, pois renegado a segundo plano da nossa cultura!
    Cultura? Onde está?
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cultura? Não está por aí?! Por aqui também não... :)))

      Eliminar
  2. Gostei de ler, Graça. No início do ano, assisti a duas tertúlias sobre Camões. E aprendi imenso sobre um poeta, de quem confesso não era grande apaixonada. Talvez por isso mesmo. Desconhecer parte da sua obra.
    Um abraço e bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então, se tiver tempo, leia a lírica: os sonetas e os vilancetes. São tão lindos!!

      Hei de trazer aqui alguns só para si...

      Beijinhos.

      Eliminar
  3. Os verdadeiramente Grandes são sempre pobres; por incompreendidos!!

    Beijinhos, bom Domingo, Graça.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente assim é, Janita... Muito injusto!

      Beijinhos.

      Eliminar
  4. Será sempre obsceno, o abuso do poder e a humilhação deliberada dos homens superiores!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente de acordo, Justine! E parece não haver forma de contornar essa injustiça. Enquanto houver invejosos...

      Eliminar
  5. Sou do tempo em que nos impingiam a leitura dos Lusíadas a jovens com pouco idade para entenderem sequer o significado enorme deste poema épico na nossa Literatura. Talvez seja esse o grande defeito. Impingem-se as coisas na escola e depois obriga-se a decorar e no final resta muito pouco !!!
    Obrigado por lembrares Camões no seu dia !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda assim é, Ricardo. Os miúdos ainda têm de ler alguns episódios de Os Lusíadas, embora de forma mais leve...

      Eliminar
  6. Comemorado com pompa, circunstância e muito calor aqui em Macau.
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora ainda bem! Por aqui também está cá um calor!!! Só faltou a pompa e a circunstância...

      Beijinho.

      Eliminar