domingo, 14 de janeiro de 2018

Dia de Reis

Juro que não estou trelida! Ainda...
Tal como "o Natal é quando um homem quiser" - Ary dixit - também o Dia de Reis é quando um homem (ou uma mulher) quiser, pois então!

Então não é que ontem me apareceu aqui uma amiga com este bolo-rei (ou rainha, ou seja lá como se chama!)? E foi ela que o fez! Ora vejam. 



E agora sem capota...



E este veio hoje - de uma das filhas. Mostro-o cortado para verem bem o interior.

Feito a pensar no sportinguista nº 1 da casa, que está doentinho...




Espero que estejam já a salivar...

Boa e doce semana para todos!

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Assédio

O tema está na ordem do dia.Com todas as verdades e com todos os exageros. 

Veio de Hollywood e até a Catherine Deneuve se meteu ao barulho.

E hoje dei com este caso. Grave.




quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Obrigada!

Dizem as redes sociais que hoje se celebra o Dia Internacional do Obrigado (por elas criado, aliás). 

Então é dia - como o são todos os dias - para agradecer a todos os amigos que por aqui têm passado e que têm deixado palavras carinhosas, de ânimo e de coragem. O meu mais sincero e sentido Muito Obrigado!



A primeira vez que fui a Inglaterra, nos idos de 70, já depois da Revolução, fiquei por de mais admirada com a frequência com que os ingleses agradeciam e pediam por favor. Nos restaurante, nos cafés, nas lojas, sempre diziam um "thank you" depois de nos servirem o que tínhamos pedido. Não estava instituído esse hábito por cá.

Felizmente, aos poucos, - poucos que são muitos dado o salto civilizacional, cultural e educacional que demos em tão pouco tempo (40 anos são pouco mais do que uma geração) - o atendimento por cá sofreu uma evolução enorme e já são poucos, quer atendedores quer atendidos, os que não têm uma palavra de agradecimento ou um pedido por favor.

(Há, porém, ainda muita arrogância para arrasar...)




terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Desculpem qualquer coisinha...

Falhas de textos meus, falhas de publicações diárias, falhas – e grandes – de visitas aos blogs amigos e de comentários às respetivas publicações, falhas de atenção…

… que me desculpem todos. 

Desde o passado dia 28 em que o meu companheiro de uma vida foi longa e delicadamente intervencionado, parece que não consigo concentrar-me nas rotinas habituais, parece que tudo está diferente… entontecida me sinto.

Além de que, regressado a casa passados dez dias, os cuidados necessários são os exigidos por um cálice de cristal, deixando-me pouco tempo e pouca energia para estoutras atividades.

… que me desculpem todos.


E, se por ventura, teimo em vir aqui, é talvez mais por vício, talvez porque em tempos li no blog do Carlos Oliveira um slogan engraçado de mais que aconselhava: «Este verão não abandone o seu blog!».





segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Parabéns, Elvis!

Mais um ano que passa sobre o nascimento de Elvis Presley e mais uma vez - como de costume neste espaço - aqui fica a lembrança daquele que revolucionou a música rock e a prestação dos seus cantores em palco. Mais uma vez aqui fica a lembrança de uma das vozes mais bonitas (e dos homens mais bonitos) da música norte americana. 


Este era o "meu Elvis".




Mas esta era, sem dúvida, a minha canção do Elvis! A mais bela. A mais romântica. A mais bem interpretada. A que mais me dizia...




Faria hoje 83 anos.

Partiu há quase 41 anos


domingo, 7 de janeiro de 2018

Quem se lembra da «Poupée de cire»?

Ganhou o festival da canção da Eurovisão no ano de 1965 com a canção «Poupée de cire, poupée de son». France Gal, uma jovem menina de 18 anos à época.

Morreu hoje, vítima de cancro. Vamos recordá-la?




sábado, 6 de janeiro de 2018

Vamos cantar as Janeiras!


As Janeiras são cantadas
Do Natal até aos Reis:
Olhai lá por vossas casas
Se há coisas que vós nos deis.

Janeira pedimos
Saco trazemos;
Dêem-no-la cá
Que nós nos iremos.

Saco trazemos,
Saco levamos;
Venham-no-la dar,
Que nós já nos vamos.

Nós vimos de lá de baixo,
Da terra dos bons pastores;
Vimos pedir a Janeira
A casa destes senhores.


Não somos reis nem rainhas
E vimos dos olivais;
Vimos dar as Boas Festas
Como demos a outros mais.

Levante-se daí, senhora
Do seu tão rico banquinho;
Venha-nos dar a Janeira
Em louvor do Deus Menino.

Vinde-nos dar a Janeira,
Se no-la houverem de dar;
Nós somos de muito longe,
Não podemos cá voltar.

(in “Cantares de Todo o Ano”)